Avançar para o conteúdo principal

Maria Helena Gonçalves - Análise do Livro - O Refúgio




À terceira será de vez.....
O primeiro comentário foi feito no dia em que acabei de ler o teu "Refúgio", não consigo reproduzir aqui as palavras que te deixei, o que te posso afirmar é que foi escrito com bastante emotividade contagiada que me encontrava pela leitura da história.
O 2º comentário foi escrito ontem, alguns dias depois de ter concluído a leitura. Com uma certa nostalgia refiz o texto, tentando analisar mais friamente a vivência tida na leitura da obra.
Hoje o que me vem à alma continua a ser claro.
Sobre a Obra:
Considero que o romance está bem escrito, bem estruturado, sendo que o leitor se sente transportado para a época em que se passa a acção.
Contagiante do princípio ao fim, impulsionando o leitor a querer ávidamente ler a próxima página.
Esta capacidade de prender os leitores à história é só para alguns e nesse aspecto reconheço essa tua formidável capacidade, que considero fantástica dado ser a tua primeira incursão no domínio literário.
Considero que o final da história foi um pouco abrupto, lembro-me de ter sentido que muita coisa ficou por dizer e explicar, mas hoje que já passaram uns dias reconheço que dado o contexto político que sempre acompanhou a acção da história, fará sentido o seu final.
Eu, pessoalmente, não considero que esse mesmo aspecto seja o mais relevante no Refúgio, para mim a verdadeira importância encontra-se no relato das emoções vividas e sentidas por Fernando no crescimento interior do mesmo.
Sinto-me privilegiada por ter podido partilhar essa tua faceta que para mim não será totalmente desconhecida mas surpreendeste-me pela positiva através da carga emotiva que carregas.
Deves continuar a partilhar os teus sentimentos com os amigos e a família que te rodeia, serei leitora assídua das próximas.
Um beijo com carinho
Da tua filha
Lena
Maria Helena Gonçalves

Mensagens populares deste blogue

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!