Avançar para o conteúdo principal

Pós Lançamento do Livro Dicotomias




Ronilda David, Ana Margarida , Helder Fernando Gonçalves e o esposo da Ana Margarida

O autor

Convidado assinando o livro de presença


Torres e Esposa, Lena Padinha e Henrique Padinha Amigos do Autor

Ronilda David, Rui Maia, João Zenha e Helder Coelho Gonçalves

O Universitário João Zenha Neto doAutor

O autor Hélder FernandoGonçalves e a Bancária Maria Helena

Amigas e familiares do Autor

Isabel Tomas e Liliana Cigarra, amigas do Autor

Exposição de outras obras do autor: O Refúgio e Origens

A chegada dos convidados

Convidados no Coquetel do Livro DICOTOMIAS
Maria De Fátima Moreira Rego,declamando poesias do livro DICOTOMIAS

Capitão Fransisco Cabral Godinho declamando poesias do Livro DICOTOMIAS

Dra.Alexandra Padinha declamando Poesias do Livro DICOTOMIAS

O Setor de média do evento

O Autor: Hélder Fernando Gonçalves na Mesa de honra


Dicotomias é a terceira obra literária de Hélder Gonçalves, escritor e poeta, depois de ter com êxito lançado dois romances: o Refúgio e Origens, adentro no campo da Poesia, compartilhando com seus leitores a ambivalência do seu eu poético, com a obra Dicotomias.
É um livro onde impera a poesia livre e contemporânea, que para além das técnicas formais, o poeta dar vazão á sua inspiração, baseada em tudo o que o rodeia. Aborda temas como: Amor, família, saudade, política, lutas pessoais, esperança e sobre tudo a beleza inerente aos seres humanos perante a dádiva da vida.
Com certeza, irá surpreender deliciosamente, os fãs e leitores com essa nova abertura da sua carreira literária.
A poesia nasceu em si e mesmo sem expressão escrita por longo tempo, era-lhe latente a veia sensível e finalmente eclode para as páginas de uma realidade, mesclada com o sonho e a força de quem escreve o que sente e o que acredita.

Ronilda David/Loubah Sofia

05 de Janeiro de 2013 na Biblioteca José Saramago no Feijó

Mensagens populares deste blogue

sorridente, calada e persistente.

Era para ser ao contrário dessa fumaça, que assoprada ou mesmo inalada se vai... Era para ser volátil como um passe despercebido de mágica. Era para ser apenas alguns segundos de choro, de lágrimas vazias de alegrias, preenchidas de vis solidões Era para ter sido, mas nunca foi, pois sempre é... Essa dor corrupta, invasora, que desdenha da minha confusão por não compreender, as razões da vida em impor ela em mim, como carrasca sorridente, calada e persistente. Era para ser uma nesga do que passou e dormiu no tempo, mas vejo que é meu presente: Resistente, crítico e decadente.

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬


Do hábito biscoitos d'açúcar

De pedaços de poesias 
Fiz uma nuvem de melodias 
No mundo de suaves revoadas 
Valsando em asas encantadas 

Nas palavras erguendo magias 
Dançando sons em rapsódias 
De paixões fragmentadas e fugidias 
Acolá, chegarei com outras histórias

Nos passos -  Carinho ao aconchegar 
Com doçura que imagina minha mente 
Meus sentidos se elevam  ao prestar 
Em compasso de superação finalmente! 

De Ti em mim sonhos... 
Infinitamente. 

Ronilda David in ‪#‎AQuânticadaestupidainteligência‬













Honradez

Honradez... Tua Manta De Diamantes
Amanheça Para a vida, Para o melhor quetem Respeita a aliança Acredite que adiante O real do que éseu legado Espera...
Amanheça Para a boa vontade de Dar as mãos E o perdão, compartilhar Os sonhos Os sorrisos O pão...
Amanheça E dê avocê, perdão Porque o erro reconhecido É acolhedor para a alegria Da humildade que afasta a tristeza ... E traz a esperança de que... Hoje, vai dar certo!