Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2014

Encontro by Hélder Gonçalves

Quando te encontrei, após longo tempo, naquele espaço, o mundo agitado à nossa volta corria.

A chave do bom sono by Lu Cidreira

Você já deve ter ouvido as recomendações mais manjadas. Faça exercícios. Tenha uma alimentação balanceada. Tente evitar o estresse. Não tome café de noite. Maneire no álcool. Tudo isso é verdade - e é essencial para dormir bem. Mas a epidemia de insônia no mundo tem outra raiz

Por uma noite...quero falar de amor

Por uma noite quero falar de amor...como se eu ainda fosse vida Como se o meu ventre fosse terra quente...como se eu fosse flor Como se as minhas mãos fossem as rosas da Primavera perdida Como se o teu corpo fosse lume e este frio que sinto fosse calor

Correspondência

Foi-se a melhor parte da minha vida, e aqui estou só no mundo.  Note que a solidão não me é enfadonha, antes me é grata, porque é um modo de viver com ela, ouvi-la, mas não há imaginação que não acorde, e a vigília aumenta a falta da pessoa amada.

Romantismo (by Patrícia Pinna)

Sem o romantismo natural
Dos amantes há séculos atrás
Relações tornaram-se superficiais
Como algo meramente ocasional

Não ovacionando a lua
Nem contando as estrelas
Tampouco fazendo do céu
Testemunha de declaração pura
Insinuando um amor imensamente doador
Festeiros sentimentos de um sonhador

Decadência de afeto sugere infelicidade
Estado estúpido de coexistência
Não havendo sobrevivência radiante
Causando na era da alma a saudade
Em sua aromatizada consistência

Esfuziante é o beijo com calma
É a palma da mão deslizando na face
O olhar revelador na beleza do enlace
Enaltecendo o lirismo da poesia
Receptora de calor na ressurreição de cada dia.


               Patrícia Pinna

               Autora do blog "Redescobrindo a Alma
http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/







Cicatrizes

A Vida é feita de encontros, também, de desencontros, enganos e desenganos que vão deixando cicatrizes. Há feridas que podem não sarar – ficam sangrando. Das nossas lutas, de ilusões desfeitas em tais confrontos, perdem-se os sonhos, as recordações dos dias felizes: acreditar de novo, bem difícil, emtudo que fomos amando.

Histórias dos ovos de Páscoa

O Domingo de Páscoa é a ressurreição, simbolizada pelo ovo, significando o nascimento – a nova vida.

Do Outro lado do espelho...

Um sonho que não é meu, a Lua que você me deu. A voz que me rouba a alma, a lâmina que me corta ao meio.

Este Dia de Inverno

Ah - se todos soubessem,
o porquê
da minha rebeldia,
do meu tormento.
Desta ansiedade,
tal como este dia -
de mil invernos.
Destapado – ao vento,
que seca, sem piedade,
a minha alma,
num jeito de lamento,
de folhas retorcidas,
arrastadas no chão.
Caídas, envelhecidas
Juntas,separadas, esquecidas,
empurradas no turbilhão.
Ah - se todos soubessem,
aquilo que me impele,
de te ferir, de te julgar-
sem sentido, rasgar tua pele
e, assim, poder chegar
melhor, tua alma espreitar,
para querer perdoar,
aquilo que não existe,
para  tal  justificar.
Este anseio que persiste
irracional e doloroso
de te querer magoar,
como jogo de roleta russa,
em duelo de vida e morte
num preito pouco honroso
que me deixa em tal desnorte: Ah, se todos soubessem!




Hélder Gonçalves   Nov-2012

Batalha da Vida

Como um guerreiro na idade-média, Sou eu assim, Travando as minhas batalhas de espada na mão. Umas ganhei, Outras perdi, Porém, não foram em vão.

Versos clandestinos

Um casulo de cores e sombras me assombra. Toca minha pele. Repele a vasta solidão que já não me castra. Descortina-me a carne da alma e vagarosamente me assalta em imensos véus. As mãos me arranham - labaredas acesas em criptar lento que incendeia o vazio. Sou deusa banida do Olimpo. Nas noites frias, colho lírios, depois embarco em imensos navios. Atravesso oceanos de sonhos e de devaneios. Não há receios de que serei ancorada na tua Ilha de Silêncio. Habitarei tuas praias como luz invisível. Serei a claridade dos teus dias de insensatez...
Malu Silva


Recorda-te de mim...

Quando enfim morrer o que no corpo choro...recorda-te de mim Esquece os vãos devaneios que mil vezes chorando te segredei Não lembres os sonhos que sonhei...morreram meu amor sem ti

Mês de abril e os dias comemorativos

10 de Abril
Dia da Engenharia 12 de Abril
Dia do Aniversário de Fortaleza 12 de Abril
Dia do Médico Obstetra 13 de Abril
Dia do Beijo 13 de Abril
Dia do Hino Nacional Brasileiro

Intenso Abandono (by Patrícia Pinna)

Ela fora abandonada por sua imaginação
No meio do caminho insólito, perdição
Num breu de ausentes penetrantes versos
Regressos para uma folha vazia
Onde outrora, a caneta percorria
Com saudosa profusão  e maestria

No teu deserto by Helena Castelli

A maior parte do tempo, porém, o que nós partilhávamos era o silêncio. E isso eu aprendi contigo, porque não sabia. Para mim, o silêncio era sinal de distância, de mal estar, de desentendimento.

Sina de mineiro... (Raízes I) by Expedito Gonçalves Dias

Vasta riqueza que é sua: o ouro trazido do sol, a prata presente da lua. As pedras que das estrelas choveram neste sertão, qual gotas de chuva fina na noite, um intenso clarão!

À Distância... by Malu Silva

Tão branca é a lua E, à sua alvura, Conto o meu lamento.

Suave Sentimento

O tempo no relógio da minha existencia, naquela hora saudosamente refletida: Nas águas quietas do mar das recordações - Balanços de vida de toda uma experiencia percorrida nos tempos parados - Adormecida Sonhos contidos, desvanecidos em ilusões!

Sala De Entrevista – Abril 2014 – Expedito Gonçalves Dias

Caros Amigos e leitores R.O hoje na Sala de Entrevista temos a honra de apresentar nosso Amigo e autor: Expedito Gonçalves Dias. Está será uma entrevista diferente. Invés de perguntas,foram colocadas tópicos e respondidos com grande riqueza de argumentos e factos a trajetória desse notável ser humano. Passemos a palavra então ao nosso convidado:

Pequena Bigrafia : Primeiramente devo dizer que sinto-me honrado pela entrevista... A minha trajetória de vida não caberia neste espaço, mas tentarei resumir minha vida. Começo por dizer que vim de família humilde mineira, portanto com seus carências e peculiaridades naturais. O mineiro é afetuoso, generoso e acima de tudo religioso.