Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2015

Nação Em Prantos by Patrícia Pinna

Não apetece-me falar da classe dominante
Engolindo sem pudor o honesto trabalhador
Que em seu labor diário, entre lágrimas e suor
Pensa em sua sorte mudar, esperando surgir alguém
Com a consciência decente, a fim de governar
Sem deixar-se manipular

Eu choro, tu choras, ele chora, nós choramos, todos choram
Ao ver essa calamidade vergonhosa de trem desgovernado
Chamada política sem responsabilidade

Onde foi parar a decência, em qual estação refugiou-se
O bem comum, em que leito prostrado está a esperança?

Imunda escória vomitando falácias, engravidando ingênuos
Parindo aberrações!
Que sorte é essa da nação inteira
Clamando por justiça num labirinto de dor
Onde a força parece esvair-se?

Renovo como energia e conscientização é do que o povo precisa
Para unir-se a lutar como animais ferozes lutam 
Pela sobrevivência de suas crias

Voz sem ação morre sem atingir o objetivo
Tornar a Pátria coesa e liberta
De seus muitos grilhões!

                                                                              Patríc…

Homenagem a um grande Amigo

As árvores morrem de pé
Homenagem ao meu grande Amigo e colaborador deste espaço, FRANCISCO CABRAL, Homem de caráter, fino trato e de grande espírito de solidariedade que acaba de nos deixar. Mais uma estrela irá brilhar no Céu!









Francisco Cabral - Sempre !



AMIZADE
Quando eu tropecei e caí – deste-me a mão, meu bom amigo. Pelo teu braço me levaste junto a bom porto e me acolheste. Sem perguntas, tibiezas, duvidas ou sermão: deste-me abrigo. Em vez da dúvida, houve certeza – deste conforto, assim escolheste. Ao faze-lo, seguiste o caminho do coração - assim eu te digo: que a amizade existe - no teu exemplo e exorto, num mundo agreste, antes, escolhendo  o prenuncio duma oração, contigo agora sigo. Com valores e sentimentos, nada estará morto Se a amizade escolheste.



Hélder Gonçalves Fev.2012



Solta Entre Nuvens by Patrícia Pinna

Não pouso os meus pés na Terra
Tampouco ela comigo fala fazendo mistério
Quando mais preciso do seu conselho

Sou solta entre as nuvens que despencando
Formam formas formidáveis
Desenhando uma remota alegria

Que com toda primazia primando prioridades
Seguram-me em seus fios de algodão
Impedindo, velozmente, uma queda fatal

E o lúdico alcança o meu olhar poético
Como plumas coloridas na passagem dos meus mundos
Nos pesos, nas levezas e nas minhas incertezas!

                                                                      Patrícia Pinna




A Paixão e o Amor - por Hélder Gonçalves

A paixão é uma doença Que se cura com aspirina Casaco, no cabide esquecemos Ali ficando, com indiferença Perdendo-se na monótona rotina Escapa sem nos apercebermos
Ao contrário – o amor verdadeiro Que se aconchega e permanece No coração, ficará para sempre Sentimento perene - a tempo inteiro Que se resguarda e mais se enobrece  Ficará, e depois com ternura se lembre!